Sexta-feira, 26 Fevereiro 2016

por

manray

Man Ray, Woman With Long Hair, 1929

Queridas Senhoras,

estão todas convidadas para uma magnífica festa no pátio das miúdas loiras. Devo dizer-vos que eu ando a espreitar pelo buraco da fechadura há uns 16 anos, por isso sintam-se devidamente privilegiadas por terem a porta escancarada com tamanha facilidade.

Foi há 16 anos, mais coisa, menos coisa, que me apaixonei pelo pátio das miúdas loiras. Foi o Jeff Buckley que mo apresentou, reparem, é natural que me tenha tocado. Para mim, o pátio era, então, um lugar de despedida sob o sol, bem no meio de um álbum póstumo, Sketches for My Sweetheart the Drunk (1998), depois de o Mississipi se ter apropriado tão indevidamente da vida do mais belo dos cantores. Tanto que eu cantei este pátio.

No final do ano passado descobri o Micah P. Hinson. Decorem este nome (não se preocupem se não conseguirem, eu voltarei a ele muitas mais vezes, seguramente). Até recebi um cd dele, já não recebia um cd há tanto tempo que me apetece emoldurá-lo.

Através do Spotify fui conhecendo os seus trabalhos anteriores e percebi que participou no álbum Dream Brother: The Songs of Tim and Jeff Buckley (2006). Com que canção, perguntam vocês? Com o pátio, pois claro:

Reparem: eu ouço muita música e depois ouço a minha música. Já não admitia novos membros da galeria dos ‘meus’ há longuíssimos tempos. E, assim do nada, o Micah dá-me esta prova de que estava certa em relação a ele. Estas coisas emocionam-me, não consigo evitá-lo.

Os dados estavam lançados: eu tinha que saber tudo o que é possível saber-se sobre esta canção.

E eis que chego a Inger Lorre.

Esta é a história: Inger foi namorada de Jeff Buckley. Quando Audrey Clark e Lori Kramer compuseram esta canção em homenagem a uma amiga que se havia suicidado, Inger pediu-lhes boleia e acrescentou o seguinte trecho à letra original:

It’s in your heart
It’s in your art, your beauty
Even in this world of lies
There’s purity
You’ve got innocence
In your eyes
Even in this world of lies

You’re still hopeful
Very sexy, okay, okay

O trecho era, como decerto já adivinharam, dedicado ao rapaz Buckley. Mas ele, apesar de ter interpretado maravilhosamente a canção, nunca chegou a saber disso.

Bem-vindas ao pátio, Senhoras. Let the party begin!

Beijos,

Marta, a investigadora solene das coisas fúteis
(que bem que me fica esta assinatura de Álvaro de Campos)

Tags:

· · · ◊ ◊ ◊ · · ·

Deixe o seu comentário

Questionário ‘Ter 40′